26 fevereiro 2014

RESTAURANTE - NUESTRO SECRETO FOUR SEASONS BUENOS AIRES

0 comentários
Nessa minha última viagem a Buenos Aires nossa principal programação foi comer bem! Visitamos vários restaurantes muito bons e hoje trago a primeira dica aqui para o blog, o recém aberto Nuestro Secreto, localizado no hotel Four Seasons.


O Nuestro Secreto foi aberto em novembro de 2013 após a inauguração da última etapa da renovação milionária do hotel Four Season de Buenos Aires, ele fica na área da piscina em uma agradável estrutura envidraçada ao lado da Av. 9 de Julio. A decoração é uma graça e o clima no local uma delícia, recomendo para ir almoçar em um belo dia de sol.


A proposta do Nuestro Secreto é servir a culinária típica argentina ou seja, parrilla, mas com toque gourmet e excelência no preparo. De segunda a sábado o serviço é a la carte e durante o domingo em vez de brunch (a grande febre atual na cidade), é servido uma grande parrilla onde come-se carnes, acompanhamentos e sobremesas à vontade ao melhor estilo familiar por $375 por pessoa. Infelizmente não conseguimos ir ao almoço no domingo porque já havíamos reservado o brunch do hotel Hyatt, mas ficamos com muita vontade de provar.


Pedimos a la carte mesmo e começamos a refeição com a amouse bouche da casa.

Depois, pedimos um flatbread de entrada, um tipo de pizza onde você pode escolher a cobertura entre várias opções. A nossa foi de vegetais e queijo de cabra e estava divina.

Como vocês podem notar ela é enorme e pode ser considerada uma refeição sozinha. Estava maravilhosa, mas não recomendamos pedir para apenas duas pessoas, a não ser que você tenha uma apetite muito grande!
Para beber escolhemos uma sangria bem geladinha perfeita para a onde de calor que fazia na cidade.

Como principal fomos de filet mignon, pedimos meio na verdade, que deu tranquilamente para duas pessoas, pois como vocês podem notar os pratos por lá são gigantes.  A carne estava maravilhosa, no ponto perfeito e ao contrário de como a carne é servida em outras parillas em BsAs, lá ela é temperada e bem salgada, perfeita para o nosso paladar brasileiro. Para acompanhar: papas fritas com molho bernaise, uma delicia!



Não preciso nem falar que depois de tanta comilança já estávamos super satisfeitos, mas não pudemos deixar de provar os gelatos Dolce Muerte, feitos dentro do Four Season e considerados os melhores da cidade!

Escolhi o de frutilla (morango) e estava muito bom, só não sei se considero o melhor da cidade.

Amei o Nuestro Secreto, o ambiente é agradabilíssimo, a comida deliciosa e o preço ótimo se levado em relação a refeição que você vai fazer!! Já entrou na minha listinha de preferidos na cidade!

Nuestro Secreto
Cerrito 1455
Recoleta, C.A.B.A.
Tel: 4321-1552
Recomenda-se fazer reserva.

24 fevereiro 2014

PATAGÔNIA - RUTA 40 - DE EL CALAFATE A TORRES DEL PAINE - PARTE II

0 comentários
Quinta feira contei para vocês a primeira parte da minha viagem de El Calafate até Torres del Paine através da Ruta 40 e hoje continuo o post contando a continuação do caminho após a entrada no Chile até a chegada no parque.

Terminei o último post contando sobre a passagem pela a alfândega chilena, após a conferencia de passaporte e revista do carro os portões são abertos e você está no vilarejo de Cerro Castillo. Como já estávamos na estrada há 4 horas resolvemos para para comer alguma coisa e o local escolhido foi o El Ovejero, um café/restaurante/lojinha de conveniência/casa de cambio localizado exatamente ao lado do posto da alfândega.



O local é uma graça, como o nome sugere ele tem como tema as ovelhas e elas e outros bichinhos típicos da região são usadas por todas as partes na decoração.


Para o almoço pedimos o especial do dia, uma sopa de legumes e duas empanadas gigantes, saiu menos de 15 reais por pessoa com bebida e ninguém conseguiu comer tudo!


Alguns dos exóticos refrigerantes chilenos.
Aproveitamos também para trocar dinheiro, afinal seria nossa última parada e provavelmente a única casa de câmbio até a entrada do Parque Nacional de Torres del Paine, trocamos dólares por pesos chilenos em uma cotação muito boa e seguimos viagem passando em frente a entrada de Cerro Castillo.

Outra opção de cafeteria em Cerro Castillo.
Após a entrada no Chile percebemos a qualidade das estradas piora bastante, começam aparecer vários buracos, porém não é nada grave, mas por outro lado a paisagem vai ficando cada vez mais bonita conforme vamos nos aproximando do parque.


6km após a fronteira pegamos a saída para Torres del Paine a direita, a outra opção é seguir direto para Puerto Natales, cidade base para quem visita o parque. Poucos quilômetros depois o asfalto acaba e começa uma estrada de terra batida infinitamente melhor que as da Argentina. A partir daí a estrada fica de tirar o fôlego, principalmente quando começamos avistar as torres ao fundo.



Estão realizando algumas obras na estrada, parece que estão preparando para asfalta-la, por conta disso pegamos um pequeno congestionamento de uns 10 minutinhos.

Para entrar no Parque Nacional Torres del Paine dessa estrada você tem duas opções de portarias, a primeira e mais próxima Lago Sarmiento e a segunda, um pouco mais afastada Laguna Amarga. Seguimos a recomendação do blog Felipe, O Pequeno Viajante e optamos pela segunda, considerada mais bonita, e com toda certeza valeu muito a pena andar alguns quilômetros a mais!!







Depois dessas visões surreais chegamos a Portaria Laguna Amarga, onde pagamos a taxa de entrada e entramos oficialmente no parque, mas isso é assunto para o próximo post!

E para quem perdeu a parte 1 desse post é só clicar aqui.

20 fevereiro 2014

PATAGÔNIA - RUTA 40 - DE EL CALAFATE A TORRES DEL PAINE

0 comentários
Antes de viajar pesquisei muito sobre fazer o passeio até Torres del Paine no Chile, pelo que vi em vários posts era um passeio cansativo e a estrada não era das melhores, mas, como tínhamos bastante tempo em El Calafate achamos que valeria a pena. A principio a ideia era fazer um bate volta, mas depois de ler várias recomendação resolvemos passar uma noite em Puerto Natales (cidade mais próxima ao parque de Torres del Paine) e voltar no dia seguinte.

Bom, a visita a Torres del Paine é maravilhosa e com toda certeza valeu a pena, mas isso é assunto para outro post, pois hoje foi contar como foi a viagem de El Calafate até lá pela famosa Ruta 40, a estrada mais famosa da Argentina, equivalente a Rota 66 nos Estados Unidos.


A Ruta 40 é a estrada mais extensa da Argentina, começando em Santa Cruz e se estendendo até a divisa com a Bolívia, ao todo são 5224km paralelos a Cordilheira dos Andes, passando pela maioria dos Parques Nacionais. Mas a sua fama se deve mesmo a beleza de suas paisagens e ao perigo de alguns trechos não asfaltados com terra batida e pedras, o rípio.


Para chegar até Torres del Paine são duas opções, a primeira, a mais curta (escolhida por nós). é pelo vilarejo de Tapi Aike, pegando um trecho de 70km de rípio da Ruta 40.


Exibir mapa ampliado

E a segunda, indo pelo asfalto, pela cidade de La Esperanza, onde o trajeto tem praticamente o dobro da quilometragem.


Exibir mapa ampliado

Obs. Os mapas a cima só vão até a fronteira argentina de Rio Don Guillermo, pois depois da aduana existe um percurso de 6km de estrada de rípio até a aduana chilena que o Google ainda não reconhece.

Escolhemos a primeira opção, afinal achamos que não teria grande mistério em dirigir no rípio, havíamos lidos vários relatos de pessoas que foram e nos pareceu bem tranquilo, alem de resultar em uma bela economia no tempo de viagem, o que nos daria mais tempo dentro no Parque Nacional de Torres del Paine.


Bom, planejamento feito (antes de viajar, é claro) no segundo dia de viagem chegou a hora de cair na estrada. Saímos cedo do hotel, por volta das 7/8 horas, e antes disso aproveitamos o wifi para carregar o mapa no Google maps dos nossos celulares, ele funcionou perfeitamente e não nos deixou na mão em momento algum, mesmo sem sinal de internet ou mesmo telefone. Além disso, fomos preparados com uma pequena mala para o pernoite em Puerto Natales, muita água e alguns snacks, pois sabíamos que a viagem seria longa e quase não existiriam lugares de parada.


O primeiro trecho da estrada é lindo e o asfalto é perfeito, um verdadeiro tapete sem nenhum buraco, fica difícil manter a velocidade, que aliás não é controlada e você pode ir a quanto desejar, pois dificilmente encontrada um guarda pela estrada. A única regra por ali é manter os faróis sempre ligados, de dia ou de noite! Mas conforme vamos nos afastando da civilização e entrando na natureza bruta começamos a ver diversos bichos atravessando de um lado para o outro na estrada, momento que percebemos que é sim necessário manter uma velocidade que não seja tão alta.


90km depois da saída de El Calafate pegamos o atalho a direita para continuar na Ruta 40 e logo depois começa o rípio, a partir daí a estrada fica maravilhosa e você se sente dentro de um filme com aquele imenso caminho no meio de absolutamente nada. Tivemos que parar para tirar várias fotos, é claro!




Preciso trabalhar no meu pulo!! hahah


A partir daí os bichos ficam cada vez mais frequentes e você se sente em um verdadeiro safári, vimos guanacos, um animal semelhante a lhama, viscayas, um tipo de lebre, os choiques, semelhante a um avestruz, uma raposa, muiitasss ovelhas e, se você der muita sorte (ou azar), nós não demos, da pra ver até uma puma!






Passada a empolgação começamos a sentir os efeitos do rípio, fomos em uma época muito seca (final de dezembro) e não chovia há muito tempo, a terra estava muito fofa o que deixava a pista bem instável, era necessário segurar a direção bem firme, pois qualquer pedra maior em contato com os pneus fazia o carro derrapar, a partir daí reduzimos a velocidade para 60km/h e começamos ter mais cautela, até que veio o grande susto!

Estávamos em um longo trecho reto que terminava em uma subida, eis que vemos uma SUV lá longe começando a descer a rampa, nisso ela perde o controle e começa a capotar diversas vezes até sair da estrada em meio de uma nuvem de terra. Corremos para ajudar já pensando no pior, afinal o acidente foi muito feio mesmo, quando nos aproximamos, desci do carro e vi que, milagrosamente, as 5 pessoas haviam saído do carro inteiras, sem nenhum arranhão se quer e o carro, com certeza, com perda total! Nem eles acreditavam, eram um grupo de 5 jovens americanos que estavam vindo do Chile e indo para El Calafate, assustadíssimos eles pediram para a gente ir chamar ajuda, pois ali não existe sinal de celular. E é aí que nos demos conta do grande problema da Ruta 40!

Ela é uma estrada muito vazia, principalmente nesse trecho, você fica horas sem ver um carro passar e sem sinal de civilização, saímos em busca de ajuda e depois de 1km mais ou menos vimos um telefone na beira da estrada, desci, mas só havia sobrado o poste, o telefone já não existia a muito tempo e isso se repetiu em todos os que encontramos na estrada. Seguimos por mais uns 15km até chegar a Tapi Aike, um micro vilarejo, se é que da pra chamar assim, formado por um posto de gasolina e um posto policial completamente deserto. Desci no posto, que estava fechado e comecei a bater pra ver se alguém aparecia, não obtive resposta, apenas algumas galinhas??? apareceram. Segui para o posto de gasolina em frente onde o frentista nos avisou que deveria ter alguém sim ali, mas que ele devia estar dormindo. Voltei e bati mais até que um policial apareceu. Relatei o acidente e ele me garantiu que iriam providenciar o socorro,  me perguntou se haviam feridos e eu fiquei na dúvida se mentia, mas achei melhor falar a verdade, que todos estavam bem; meu erro, pois aí notei que ele não deu a mínima importância para o acidente e não se apressaria nem um pouco para resgatar os 5 que estavam ali no meio do nada.

O posto de gasolina/lanchonete em Tapi Aike, aproveita para abastecer pois é o último posto do lado argentino, onde a gasolina é muito mais barata.

Não sei como acabou a história e que horas eles foram resgatados, mas fiquei pensando nos perigos de um lugar tão remoto assim, ali, qualquer acidente, por mais simples que seja, toma outras proporções pelo isolamento e dificuldade de acesso! No posto policial não havia se quer uma ambulância, fico pensando que se houvesse algum ferido grave e se a gente não tivesse passado exatamente naquela hora a pessoa poderia morrer ali sem nenhuma chance de ajuda!!


Não preciso nem falar que seguimos viagem com o maior cuidado possível, né?

Em Tapi Aike também volta o asfalto, é ali que a estrada vinda de La Esperanza se junta com a Ruta 40 para os últimos 40km até a fronteira Don Guillermo em Rio Gallegos. Lá, é necessário parar para que os passaportes sejam carimbados e mostrar a autorização do carro para ir para o Chile (é só solicitar na hora do aluguel).





Dali são mais 6km de rípio até chegar na aduana chilena em Cerro Castillo. Engraçado que ao se aproximar do Chile a paisagem vai mudando, o deserto vai ficando para trás e a paisagem fica verdinha com o Parque Nacional de Torres del Paine nos acompanhando no fundo, é lindo!




Em Cerro Castillo a aduana é mais chatinha, pra começar o portão da fronteira fica fechado, para sair ou entrar na Argentina eles mal olham na sua cara, já para entrar no Chile é necessário descer do carro, preencher um formulário, passar as bagagens no raio-x e de dependendo do momento até ter o carro revistado (não foi o nosso caso). É proibido entrar com qualquer tipo de alimento e isso se deve ao fato do Chile ter uma enorme produção agrícola, assim todo cuidado é pouco com o controle de pragas. Outro fator que pode prejudicar muito a sua passada na aduana são os enormes ônibus lotados de turistas, se você chegar junto com algum e eles estiverem na sua frente você vai ter que esperar todo o grupo passar até chegar a sua vez, portanto, se você ver algum ônibus na estrada tente passar na frente dele!


Aduana chilena.






Passado a aduana você estará no minúsculo, porem simpático, vilarejo de Cerro Castillo, mas como esse post já está grande demais vou deixar o fim dessa viagem para o próximo!!

Até aqui foram por volta de 4 horas de viagem e meio tanque de gasolina com todas as paradas e imprevistos! Até Torres del Paine foram mais 2 horas, contando com o tempo de almoço, mas isso e a volta dessa viagem ficam para o próximo post!

E se você ta de viagem marcada para região e pretende fazer essa estrada, não poderia deixar de recomendar a leitura do ótimo blog Felipe, Meu Pequeno Viajante, de onde eu tirei várias informações muito úteis que me ajudaram bastante!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 

Blog da Gelly Copyright © 2012 Design by Cantinho do Blog Blogger Template